segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Veja Bem Meu Bem


Sabe... sabe que eu te amo, né?
Mas sabe meeesmo, né?
Então, não fica triste não, mas tem hora...
Tem hora que tem que ser pra mim, só pra mim
As horas, as minhas horas
Aquelas em que não vou mesmo ajeitar a cama, nem a cozinha, nem a sala
Nem me preocupar se meu cabelo ta bagunçado e minha cara amassada.
Ou que tem coisa pra catar pelo chão, outras tantas pra arrumar.
Deixa eu ficar quietinha, vai? Não me ligue, não me cobre, não pergunte o que estou fazendo e nem pra quê.
Casou-se com uma pessoa ansiosa, para quem até mesmo concentrar-se em descansar é tarefa difícil, lembre-se disso.
Sou filha única, acostumada a ter vários momentos sozinha trancada no quarto e sinto falta deles.
Então, essas horas são minhas, só minhas.
Elas passam rapidinho, sei. Vejo-as se esgotarem no relógio do computador, diante do meu olhar aflito.
Estou muito bem acompanhada pelo meu capuccino, meus cadernos e canetas coloridas, minhas jujubas e os chocolates e nunca senti a cama tão acolhedora.
Meus blogs, amigos blogueiros e leitores.
Meu deleite, meus espaços, partes de mim com vida própria.
Sei que pra você isso tudo parece pouco importante ou com pouco sentido.
Veja bem, meu bem... Nada pessoal, juro.
Mas prá mim é assunto importante.
As horas que chamo de minhas.

Alice em repouso





Um comentário:

Tiago Júlio disse...

Ah. obrigado, de verdade, pelos elogios.

Quanta às horas... Acho que essas, mesmo sozinhos, são preenchidas pelo sentimento que cultivamos por àqueles que queremos distantes naquele momento. É paradoxal, mas enfim.